Curso Online Maneco A`raújo.

Módulo 03 - Elementos de paisagem

Submódulo 02 - Montanhas / Planos - Vegetação de terceiro plano

Vegetação de terceiro plano.

Os Planos

Reparar como os planos são definidos através de tonalidades de cinza com valores específicos. Uma regra que sempre valerá, principalmente  quando se trata de pintura de paisagem, é que, quando se tratar de áreas (manchas) semelhantes nas mesmas condições de iluminação, quanto mais distante o plano, maior será o valor (mais claro) e quanto mais próximo, menor será o valor (mais escuro). Sendo assim, os tons de cinza das árvores de primeiro plano são mais escuros (valores menores) que os das árvores de segundo plano, e assim sucessivamente até chegarmos aos tons que quarto plano bem mais claros (valores maiores) e bem mais esfumaçados (desfocados/menos nítidos). Note que, à medida que os planos vão se distanciando, os valores vão ficando maiores (mais claros) e nos planos mais distantes ainda, além de altos valores, os tons esfriam. Se os verdes fossem utilizados (no caso de uma pintura colorida), eles deveriam tender para o azulado para enfatizar o aumento da distância. Quanto mais distantes mais frios devem ser os tons.

Camadas sobre camadas fazendo os volumes.

Reparar a aplicação de camadas sobre camadas com o pincel com a tinta virada para cima dando os volumes. Primeiro aplica-se uma variação de tons de cinza escuros (valor menor) (É uma base que é feita antes. É uma massa), depois aplica-se por cima um tom um pouquinho mais claro, assim sucessivamente até chegar aos tons mais claros (maior valor) de luminosidades. Observar sempre a grande variedade de valores para que a pintura não fique monótona.

Quebrando os volumes para fazer as folhas.

Depois de criar os vários volumes, com um pincel fininho (Condor 00 – 409) e a tinta bem diluída (com óleo de linhaça ou diluente), você deve repicar os volumes fazendo as folhas. Os volumes vão sendo “quebrados”. Usar uma variedade de valores para fazer as folhas. Você deve “brincar” com os detalhes.

Criando galhos

Compondo a paisagem com os galhos. Com um pincel fininho (Condor 00 – 409) e a tinta bem diluída (com óleo de linhaça ou diluente). Você pode usar os tons bem escuros ou claros (variando os valores), sempre observando os contrastes.

Conhecimento técnico

Valores➔ São as variações de intensidade dos tons, ou seja, o quanto ele é claro ou escuro. É a intensidade de claro ou escuro de um tom. Os valores são responsáveis pela qualidade de uma obra. Aqui temos uma escala de valores do tom cinza. Entre o branco (maior valor) e o preto (menor valor) há um infinidade de valores. 

Deveremos sempre estar nos perguntando: “Esta mancha é mais clara (maior valor) ou mais escura (menor valor) do que aquela outra?”. O ideal é que, antes de iniciar a pintura, façamos um minuciosa análise da imagem que iremos pintar. Localizar os extremos. Identificar as áreas de maior valor (mais claras) e as áreas de menor valor (mais escuras) e perceber que entre um e outro extremo há uma imensa variedade de valores. Qualquer imagem do mundo real se submeterá à variação de valores. Muitas das vezes, essas variações são muitíssimo sutis. Deveremos ter uma percepção bastante apurada para identificarmos e aplicarmos essas diferenças na pintura. Com o tempo e a prática constante se pode chegar lá.

Até mesmo pequenas áreas de um tema podem apresentar uma grande variedade de valores. Por exemplo, em um dente. Nele isso ocorrerá e é justamente isso que dará volume a ele.

Assista o vídeo “Vegetação de terceiro plano” várias vezes.

Preste bastante atenção nas pinceladas e nas orientações do Professor Maneco A`raújo.

Bons estudos.

Vegetação de terceiro plano

Clique na figura do PDF para fazer

o Download do conteúdo escrito.